Qual o seu nome? O que você faz aqui? Apresente-se!

Posted on maio 25, 2010

0


Muito bem, você está naquele curso que tanto queria fazer, ou então naquela aula que sua empresa pagou pra você ir ou está em qualquer atividade em grupo onde as pessoas envolvidas não se conhecem. O que acontece? O líder, orientador, professor, guia, guru ou sei lá o que anuncia:
– Agora eu quero que cada um se levante e fale um pouco sobre si mesmo e o que veio fazer aqui pra gente se conhecer.
Esta é a senha para que seu sistema límbico (seu cérebro primitivo) entre em ação e comece a emitir alertas de perigo juntamente com descargas de adrenalina. Seu sangue flui das extremidades do seu corpo para as pernas e tronco. Suas pupilas começam a dilatar, sua visão entre em modo “túnel” (visão periférica extremamente reduzida) e você não consegue mais ouvir as outras pessoas que estão se apresentando.
A única coisa que você ouve é sua voz interior dizendo “daqui a pouco é você. E agora? O que eu vou falar?” repetidas vezes. Você tenta prestar atenção ao que estão dizendo. Pura perda de tempo. A voz interior fala mais alto “daqui a pouco é você! O que você vai falar?!”
Fugir não é uma opção, lutar seria incoerente, paralisar parece ser a única coisa que pode acontecer…
Você começa a se curvar sobre sua cadeira como se quisesse se esconder, cruza os braços, (não! Eles vão perceber que estou nervoso!!!) põe a mão na cintura e outra apoia o queixo (não! Isso não é uma pose natural!! Eles vão perceber!!), solta as mãos sem saber o que fazer com elas (por que eu nunca percebi que tinha mãos antes?). O que eu vou falar?
O próximo sou eu. O próximo sou eu. O próximo sou eu. Sou eu. E agora?
– Oi meu nome é José e… e… bem, eu … e… hã… ééé… Bem é isso. Tamos ai pro que der e vier e tals.
Bem vindos ao medo de se expor. Ou melhor falando o medo do ridículo. Ou sendo mais preciso e científico O medo do bicho papão.
A situação é comum, acontece inúmeras vezes em nossa vida e parece que nunca estamos preparados ou a vontade em nos apresentar. Esse receio é muito próximo ao medo de falar em público (na verdade é um estágio anterior a ele) e mesmo que por alguns mínimos segundos e em um assunto que você domina (seu nome, atividade profissional, objetivo de vida, + uma curiosidade bônus) as palavras parecem fugir do nossa mente e o desconforto é enorme até que nos livremos de momento tão torturante.
A solução para isso é muito simples. Uma simples regra de três:
1. Meu nome é ___________
2. Estou aqui para _______________
3. E utilizarei isso na minha vida quando __________ E fim. (ponto final)

Meu Nome é … Eu acho que dá pra entender então não vou me prolongar na explicação, mesmo assim lembre-se: diga seu nome primeiro! Pode parecer brincadeira ou bobagem falar isso mas as pessoas ficam tão preocupadas com o que vão dizer que partem direto para o assunto sem se apresentar! Ai fica todo mundo perguntando “qual o nome dele(a)?” e ninguém presta atenção no que você está dizendo. Se a situação permitir, inclua o nome da empresa, instituição, clube ou grupo a qual você pertence. (Meu nome é ______ da empresa _______)

Estou aqui para… Neste momento você dirá o que te levou até lá. Qual o seu objetivo. Qual resultado pretende alcançar com a atividade e com as pessoas que lá estão. Por exemplo: Estou aqui para aprender novas técnicas de gestão de pessoas e trocar minhas experiências com cada um de vocês. Isso posiciona você em relação ao grupo de maneira agradável e declara quais são suas intenções.

E utilizarei isso na minha vida quando… E aqui você conta de que maneira aquele evento vai impactar em sua vida. Ou seja, de que jeito as pessoas que estão ali vão influenciar os acontecimentos futuros. Isso dá uma sensação de “fazer parte” ao grupo. Por exemplo: E utilizarei isso na minha vida quando as pessoas da minha equipe precisarem de um apoio ou orientação em momentos críticos.
E fim.

Muitas vezes as pessoas vão falando até que não reste mais nada a dizer. Parece que o discurso vai se esvaziando, esvaziando, esvaziando até que quem está falando pára e diz:
– Dexo ver o que mais… hmmmm… acho que é isso.
Ou então começa a entrar em assuntos que não tem nada a ver com a situação: – AH sei lá, sou de touro com lua em marte, adoro rabada, assisto vale a pena ver de novo gravado…
E fica falando até que alguém interrompa.
Bote um ponto final em sua fala. Ao terminar de se apresentar olhe para a próxima pessoa a se apresentar como se estivesse passando a bola e faça aquela cara de “e ai? Não vai se apresentar? Minha parte eu já fiz. Te vira!” Aproveite a vida e saiba que o resto, ou seja, quem você realmente é, o que foi fazer ali e , principalmente, se as pessoas gostarão de você ou não, só será respondido ao longo do evento, atividade ou curso em que você está.
Aquela apresentação toda foi só pra te amedrontar… (Coisa de bicho papão)

Marcio Mussarela

Disponível em: <http://vocesa.abril.com.br/blog/marcio-mussarela/> Acesso em: 12 mai. 2010

Posted in: Cotidiano