Um problema de localização

Posted on junho 26, 2009

0


desempregadoEsse caso ocorreu com a implantação de uma grande fábrica e um dos primeiros grupos de empregados a ser organizado pela empresa foi o da segurança. Para a contratação do pessoal, o supervisor da segurança estabeleceu como requisitos mínimos para a admissão: ensino médio completo e três anos de experiência na polícia ou em serviço de vigilância de fábrica. Aquela era a primeira grande empresa industrial numa região predominantemente agrícola e tinha condições de admitir pessoas não com um nível mínimo, mas bem acima dos padrões comuns.
Quando os empregados admitidos começaram a exercer sua função, que afinal consistia simplesmente em fiscalizar crachás na entrada e sacolas na saída, não tardaram a sentir-se aborrecidos, apáticos e desmotivados. O resultado foi um elevado índice de rotatividade.
O problema foi reavaliado e decidiram então contratar pessoas que tivessem o ensino médio completo, porém sem experiência. Desta vez os funcionários passaram a exercer a função com um pouco mais de empenho em relação ao grupo anterior, porém, após um curto tempo também se sentiram desmotivados e o problema da rotatividade continuou. 
Assim verificou-se que o critério para a admissão devia ser o oposto do adotado. Em vez de indivíduos com experiência e qualificação, contrataram-se candidatos com nível de quarto ou quinto ano do ensino fundamental e, consequentemente, com expectativas inferiores. Seu desempenho fui muito superior, e os índices de rotatividade e atraso caíram ao mínimo.

 HERSEY, P.; BLANCHARD, K. H. Psicologia para administradores: a teoria e as práticas de liderança situacional. São Paulo: EPU, 1986. p. 79.

Posted in: Administrando